quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Mau Hálito? Comece limpando bem a língua!

Muitas vezes, a halitose está relacionada à saburra lingual, que tem ligação com o fluxo salivar e a higiene da língua. A saburra lingual é uma massa, uma película sobre a língua formada de bactérias, restos de alimento, saliva e células de descamação da cavidade bucal. A explicação é que a saburra lingual leva à fermentação dos alimentos, liberando gases à base de enxofre, por exemplo, e ocasionando o mau cheiro. Geralmente, as pessoas limpam os dentes e a gengiva, mas esquecem de limpar a língua. Limpar a língua é tão importante quanto usar a escova e o fio dental. Uma língua limpa vai manter a boca mais livre de bactérias por mais tempo.

Daí a importância de se acrescentar um item pouco conhecido ao kit de higiene bucal, o limpador de língua. O instrumento serve para alcançar a base da língua que a escova não consegue porque causa ânsia de vômito. Ao lado da má higiene, a saburra lingual acontece quando a produção salivar está insuficiente. A saliva age como um funcionário de limpeza natural na faxina bucal combatendo os germes. A limitação do fluxo salivar tanto está vinculada a causas orgânicas como a hábitos de alimentação, medicamentos e ingestão de álcool.


 Por que higienizar a língua?
O maior depósito de resíduos da boca, grande superfície e a anatomia papilar favorecem o acúmulo de saburra, que é  causa de mau hálito. O nariz humano percebe o hálito dos outros, mas a acomodação olfativa mascara o nosso próprio mau hálito.
A boa higiene, a boca limpa, hálito sempre agradável, colaboram para uma vida saudável, bem estar e bom convívio social. Pesquisas mostram a relação de doenças com microorganismos e bactérias presentes na boca. A higiene bucal completa, ajuda na prevenção por evitar a ingestão constante destes.

Quando devo higienizar a boca?
Ao acordar e antes de dormir; antes e depois das refeições; sempre que sentir vontade. Você é ser social, deve se sentir limpo e bem. O nosso mau hálito incomoda outras pessoas e torna difícil o convívio social. Hálito forte ao acordar é fisiológico, todos temos, pela leve hipoglicemia, redução do fluxo salivar e aumento da flora bacteriana anaeróbica proteolítica, com ação sobre restos epiteliais descamados da mucosa bucal e proteínas da saliva, que geram os CSV (compostos sulfurados voláteis) responsáveis pelo fedor da boca.

O que é saburra? 
Material viscoso esbranquiçado ou amarelado, que adere ao dorso da língua em maior proporção no terço posterior alterando a sua cor. Equivale à placa bacteriana. Os microorganismos anaeróbicos proteolíticos produzem componentes com fedor no final do metabolismo.
Por redução do fluxo salivar, a saliva fica mais viscosa, rica em mucina, facilitando a aderência de leve hipoglicemia, redução do fluxo salivar e  microorganismos, restos epiteliais e alimentares no dorso da língua. O stress, doenças, álcool, fumo, drogas, respiração bucal e o avançar da idade contribuem para diminuição do fluxo salivar.

Quais as causas do mau hálito e como controlar?
 São várias as causas do mau hálito. 
Causas fisiológicas: Mau hálito ao acordar aminoácidos com enxofre, alimentos fortes, saburra na língua.                       
Causas locais: Cáries, doenças periodontais, feridas cirúrgicas, infecções nas vias aéreas superiores.
Causas sistêmicas: Doenças crônicas, diabetes, hepatopatias, nefropatias, prisão de ventre, refluxos, etc.

Para todas as causas é fundamental a higiene bucal eficiente. Segundo Olinda Tazia, mais de 90% das halitoses tês a saburra na língua como determinante.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Bico, parte integrante da vida do bebê ou um recurso dispensável?


A primeira etapa de desenvolvimento psicológico do homem é a fase oral, na qual a satisfação de prazeres e a própria subsistência giram em torno da boca. A sucção é uma função vital que supre as necessidades nutricionais e emocionais do recém-nascido.

Então o uso do bico é parte integrante da vida do bebê ou um recurso dispensável?
É importante que o bico faça parte da vida do bebê, quando for para sua tranqüilidade e nos momentos de necessidade de sugar. A oferta do bico como fonte de sucção representa um estímulo, um exercício que deve ser feito pelos pais para suprir a necessidade fisiológica de sugar.Quando o bebê mama está satisfazendo duas necessidades: alimentação e sucção. Ao mamar no seio, por exigir maior trabalho de sugar, às vezes o bebê satisfaz a sua necessidade de sucção e, cansado adormece. Acorda em seguida porque sente fome. Se, ao contrário, a fome for saciada, mas com pouco sugar, também acordará em seguida, desta vez por falta de sucção. Seria ideal se ambas fossem saciadas ao mesmo tempo. No primeiro exemplo, é preciso amamentá-lo mais, e no segundo, um pouco de bico suprirá a falta de sucção.

Mas como saber se nosso filho está precisando sugar?
Toque seus lábios com o bico e observe: se o bebê fizer movimentos de sucção, ainda se faz necessário mais um pouco de bico. Se o hábito de sucção for exercido de forma completa e agradável, diminuirá espontaneamente quando a criança começar a desenvolver outras atividades, entre elas, utilizar as mãos e vocalizar.

Como usar o bico e não formar o hábito?
Em primeiro lugar, não se deve prender o bico na roupa do bebê ou em correntinhas, pois por estar sempre disponível, mesmo quando não solicitado, induzirá ao hábito. Deve ser oferecido após a mamada, observando se o bebê faz os movimentos de sucção conforme descrito anteriormente. O bico pode ser usado como um "aparelho" para exercitar o bebê em exercícios de sucção. Introduza o bico e "brinque" com o bebê puxando o bico para trás por no mínimo 10 vezes, estimulando-o com isso na sucção.
A criança deve ter um só bico: o hábito de ter um para chupar, outro para esfregar no narizinho ou no rostinho, mais uma fraldinha para cheirar, no momento da remoção do hábito gerará maior desconforto e maior sensação de perda.

São três as idades para eliminação do hábito de sucção do bico:
Funcional: com o aparecimento do primeiro dente, a função de sucção deve ser gradativamente substituída pela de mastigação para que haja um estímulo mais apropriado das estruturas que concorrem para a mastigação;
Anatômica: entre três e quatro anos, com o objetivo de preservar a forma anatômica das arcadas dentárias;
Emocional: deve-se considerar a maturidade emocional. Portanto a idade ideal varia e depende da avaliação do odontopediatra e da família.


Se este hábito persistir além dos 3 ou 4 anos, provocará deformidades e alterações na musculatura e nas estruturas ósseas. Estas alterações serão maiores ou menores dependendo de variáveis do hábito de uso do bico:
Freqüência: número de vezes que usa o bico ao dia;
Duração: quanto tempo chupa o bico efetivamente;
Intensidade: a força com que chupa;
Posição: às vezes a criança chupa o bico invertido causando mais pressão no palato;
Idade: quanto mais tarde for abandonado o hábito maior será o dano causado;
Predisposição individual: relacionado ao padrão de crescimento da criança;
Musculatura bucofacial: grau de tonicidade dos músculos da região. 

Características do Bico
Até a época da erupção dos dentes de leite, o estímulo causado no desenvolvimento do palato e arcada dentária superior é favorável e importante. Por isso, o formato deve ser anatômico. O mais indicado é o bico ortodôntico que se adapta ao palato e à língua, pois guarda semelhança com o mamilo materno. O disco de plástico deve ter formato côncavo com perfurações laterais para evitar o acúmulo de saliva e conseqüente irritação da pele. Existem diversos tamanhos que acompanham as mudanças de idade e é importante usar o indicado para aquela faixa etária. Os bicos de silicone, por sua transparência e polidez, são mais higiênicos.
É importante que os bicos estejam dentro dos padrões exigidos pela ABNT - Normas Técnicas de Segurança de Chupetas (1999) e que, na embalagem, estejam especificadas todas as suas características. As embalagens devem ainda apresentar o selo do Inmetro ou Abrapur.

Bico Ortodôntico
É melhor bico do que dedo
É importante frisar que o hábito de sucção de dedo traz maiores prejuízos às estruturas bucais do que a sucção do bico, porque o braço funciona como uma alavanca e conseqüentemente faz mais força, gerando maiores deformidades.

Problemas causados pelo Bico
O limite para não haver maiores danos na forma das arcadas é ao redor dos quatro anos de idade, pois haverá uma "autocorreção" da deformidade causada pelo bico. O comprometimento havido na forma das arcadas dentárias pelo hábito de sucção de bico não é ainda de grande magnitude, e se "autocorrigirá" sem necessidade do uso de aparelhos.
Porém, se o hábito não cessar nesta idade ocorrerá a mordida aberta anterior.
Mordida Aberta Anterior

sábado, 15 de janeiro de 2011

Odontologia para Bebês

O BEBÊ PODE TER CÁRIE?

A prevenção das doenças bucais em bebês deve começar cedo. Isto porque bactérias cariogênicas já podem se instalar assim que o primeiro dente aparece na cavidade bucal do bebê, por volta dos seis meses de idade. A atenção odontológica deve começar ainda durante a gravidez, por meio de um trabalho educativo e curativo, se necessário, com as gestantes.

O pré-natal odontológico é importante e deve incluir o tratamento da gestante e as orientações sobre os cuidados que a mãe deve ter com a sua saúde oral, para que seu filho, que está para chegar, venha ao mundo com saúde.

“Se a mãe tiver cárie, ela pode transmitir a doença para o bebê”. O bebê nasce sem a bactéria que causa cárie, mas pode ser contaminado pelo contato com pessoas que lidam com ele. A mãe, ao assoprar a comida, ao usar o mesmo copo ou talheres que o bebê, ao morder um pedaço de alimento destinado ao bebê ou ao beijar a boca do filho pode contaminá-lo. A chupeta, quando cai no chão, deve ser esterelizada e jamais deve ser levada a boca da mãe ou do pai com a intenção de limpá-la.

A PRIMEIRA VISITA DO BEBÊ AO DENTISTA

Esta consulta deve ser após o aparecimento do primeiro dente, ou antes, se existir alguma dúvida em relação a saúde bucal, para que o bebê se familiarize com esse novo ambiente e, principalmente, para que possam ser implantados métodos preventivos.

Nesta consulta inicial é realizado um exame da boca, dentes e gengivas do bebê. O dentista orienta os pais qual a maneira mais apropriada para alimpeza dos dentes e gengivas. No caso, exige-se uma limpeza rápida e efetiva, utilizando-se escova infantil macia e / ou gaze ou dedeiras específicas. Indica-se ainda o tipo e a quantidade correta de pasta de dente. Além disso, o dentista pode avaliar e informar sobre a ocorrência de hábitos nocivos, como chupar bico ou dedo, identificar possíveis anomalias e as necessidades de flúor do bebê.

CÁRIE DE MAMADEIRA

Tão logo o dente aparece na boca a cárie pode se manifestar. O principal problema entre as crianças de um a três anos de idade é chamado de cárie de mamadeira. Isso pode acontecer quando os dentes do bebê são expostos a líquidos contendo açúcar por longos períodos de tempo, principalmente antes de dormir ou durante a madrugada. Este processo também pode acontecer se for utilizado bico umedecido em mel ou em outra substância que contenha açúcar.

A cárie de mamadeira, assim chamada, causa sofrimento ao bebê, pois pode desenvolver-se rapidamente, envolvendo, primeiro, os dentes anteriores superiores, gerando infecções e forte dor. Os dentes cariados devem ser tratados e, muitas vezes, necessitam de procedimentos complexos e extensivos para eliminar infecções que possam prejudicar a saúde do bebê / criança e também permitir que os dentes permanentes possam desenvolver-se em local sem infecção.

A HIGIENE DOS DENTES DO BEBÊ

O melhor método para evitar cárie em dentes jovens é começar cedo com uma boa higiene bucal. Até mesmo antes dos dentes aparecerem, os pais devem limpar as gengivas da criança com gaze ou dedeira. A escova, pequena e macia, deve ser utilizada com uma pequena quantidade de pasta assim que o primeiro dente aparece na cavidade bucal. A quantidade de pasta utilizada pelo bebê deve ser pequena, não maior que um grão de lentilha. A pasta possui flúor, muito importante para a proteção dos dentes, mas que se utilizada em excesso e deglutida pode trazer conseqüências indesejáveis para a saúde do bebê. A higienização deve ser realizada pela mãe ou pelo pai ao menos uma vez por dia, de preferência à noite, antes de dormir. O ideal é três vezes ao dia.

A ERUPÇÃO DOS DENTES DO BEBÊ
Sinais que indicam o aparecimento dos dentes:

Se o bebê coloca tudo na boca, geme ou chora com freqüência, está salivando demasiadamente, provavelmente algum dente está irrompendo. Se a gengiva estiver irritada, avermelhada e inchada, ou se você puder sentir ou mesmo ver a ponta de um dente surgindo, então o dente do bebê está na fase de erupção.

Outros sintomas, como irritação, febre, náusea, falta de apetite e diarréia muitas vezes estão presentes durante a erupção dos dentes. Esta, no entanto, não é a única razão para o aparecimento destes sintomas. Assim uma consulta com o odontopediatra e com o pediatra pode ser importante.

OS DENTES DO BEBÊ

O primeiro dente a aparecer na boca é geralmente o incisivo central inferior, por volta do sexto mês. Depois em ordem aparecem os: incisivos centrais superiores, incisivos laterais inferiores, incisivos laterais superiores e mais adiante vem os primeiros molares, os caninos. Por ultimo aparecem os segundos molares até completar 20 dentes de leite. Em algumas crianças os dentes aparecem cedo, outras demoram muito para tê-los. Cada bebê tem a sua programação individual para a erupção dos dentes. De uma forma geral, as meninas tendem a ter seus dentes irrompidos mais cedo que os meninos.

 POR QUE OS DENTES DE LEITE SÃO IMPORTANTES?

Muitos acham que os dentes decíduos (de leite) não são importantes porque posteriormente serão trocados pelos dentes permanentes, mas isto não é verdade. Ao contrário, a manutenção de todos os dentes de leite é necessária por eles serem importantes para:
- a mastigação e digestão dos alimentos;
- o desenvolvimento dos músculos da face;
- ajuda a fala;
- para um sorriso bonito (estética);
- para guardar espaço e orientar a erupção correta dos dentes permanentes.    

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Sorrisão #13

E aí, o que ahou do sorriso? Você sabe de quem é este sorrisão? 
Um sorriso jovem, dele que é o novo pop star entre as meninas!
Fácil de descobrir quem é! Se não sabe ainda, clique na imagem!

Profilaxia Dental

Mencionada pelos Dentistas pelo nome técnico de profilaxia (por limpar também embaixo das gengivas) é a maneira de assegurar-se, de tempos em tempos, que a placa bacteriana não está instalada em seus dentes, por limitações de higiene oral, o que chega a originar o tártaro (cálculo). Isto acontece principalmente nas regiões mais difíceis de serem acessadas como a parte do dente que fica embaixo das gengivas, que é justamente onde mais costuma acontecer a formação da placa bacte­riana. Nesta região, além de cáries, poderão acontecer inflamações que levam a gengiva a desgrudar-se do dente, deixando esta área mais vulnerável e permitindo, com isso, que se inicie uma perda do osso que ajuda a sustentar os dentes, junto com os ligamentos que existem ao seu redor. Outra região que costuma acumular placa é a localizada entre os dentes, que é por este motivo, de difícil acesso à escova.

Estas limpezas não substituem as que devem ser feitas quatro vezes ao dia pelo próprio paciente e devem acontecer num prazo maior ou menor, justamente em função da capacidade e dedicação de cada um na limpeza doméstica. Os Dentistas usam como recurso para realizar a profilaxia, um tipo de corante que deixa a região com placa bem evidenciada e lançam mão de recursos mais eficazes tais como um jato de pó de bicarbonato de sódio e um outro com pontas apropriadas que vibram por um aparelho de ultra-som. Além disto eles tem instrumentos chamados de curetas, em formas adequadas para remover placa e tártaro em lugares difíceis, procurando deixar a superfície dos dentes novamente limpa e lisa, de forma que a higiene do paciente volte a ser mais fácil. As limpezas feitas por Dentistas terminam com polimento dos dentes para esta finalidade e para remover manchas causadas pelo fumo e pelos corantes artificiais de balas e alimentos.

A profilaxia ajuda a manter sua boca mais asséptica e sadia, melhorando a sensação agradável de uma boca bem higienizada, fator importante na motivação para a manutenção ideal da saúde bucal. Colabora também no visual de seu sorriso, pois, eliminando manchas e escurecimento dos dentes, a aparência melhora e com ela a vontade de manter os dentes sempre brancos e limpos. A redução da quantidade de bactérias da cavidade bucal com a retirada de placa e tártaro dos dentes, locais onde elas se concentram, diminui a chance de elas se espalharem para outras partes do corpo, onde podem ser também nocivas, como na corrente sanguínea, causando a endocardite bacteriana com riscos de enfar­te. Tudo isso sem mencionar o benefício imediato que é a diminuição do número de cáries, consequência primeira da presença da placa bacteriana.

Como a formação da placa é um processo lento, progressivo e quase imperceptível, não existe um momento certo ou mais adequado para a realização da limpeza profilática. Para evitar as consequências da placa, o certo é realizar visitas, a cada período de seis meses, ao seu dentista. Não tendo outro tratamento por realizar, boa iniciativa é aproveitar esta visita para fazer uma profilaxia. É coisa rápida, de baixo custo e com efeitos perceptíveis imediatamente, pois dá à sua boca uma sensação de limpeza e frescor. O seu Dentista, além de capacitado, é o mais indicado para realizar esta limpeza e definir por seus cuidados de higienização, definindo qual a periodicidade ideal para as próximas consultas e profilaxias. De todos os procedimentos odontológicos, a limpeza é um dos mais baratos, um dos mais preventivos e maneira segura de saber se você tem algum outro tratamento nos dentes por realizar. Não deixe de fazê-la. Tendo dificuldade de lembrar, associe as férias escolares como elemento de referência, sendo este um bom período, por não ser época que os consultórios costumam estar muito movimentados.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

ODONTOLOGIA NA GRAVIDEZ - Atendimento a Gestantes


PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÕES

Em tratamentos odontológicos, onde a avaliação radiográfica se faz necessária, deve-se utilizar avental de chumbo e protetor de tireóide; técnica precisa, uso de películas que necessitem menor tempo de exposição e soluções de processamento novas e limpas que auxiliam para que não sejam necessárias repetições de radiografias.

EXTRAÇÕES DENTÁRIAS

Procedimentos eletivos, como extrações de dentes retidos e para tratamentos ortodônticos devem ser protelados para após o parto, evitando assim o desconforto trans e pós-operatórios neste período tão delicado da mulher.

A RELAÇÃO ENTRE DOENÇAS GENGIVAIS E NASCIMENTO DE BEBÊS PREMATUROS COM BAIXO PESO

As gestantes portadoras de doença periodontal podem estar com sete vezes mais riscos de nascimento de um bebê prematuro e abaixo do peso normal.

Uma possível ligação entre infecção da gengiva e nascimento de bebês prematuros e abaixo do peso foi identificada em pesquisa conduzida por uma equipe de periodontistas, ginecologistas/obstetras e epidemiologistas da Universidade da Carolina do Norte, nos EUA.

O aumento de sangramentos e fluidos gengivais e freqüentemente observado em gestantes e pode ser atribuído às mudanças hormonais e vasculares. Mesmo assim, devemos avaliar se não está havendo um maior descaso com a higiene oral.

O granuloma gravídico, que se apresenta como um crescimento localizado da gengiva, tem incidência entre 2 a 5% das gestantes. Ocorre como resposta exagerada a um agente irritante local ou trauma, localizando-se com maior freqüência na maxila, principalmente na região interdentária dos dentes anteriores. Tem a tendência de regredir espontaneamente a partir do 8º mês pela queda dos hormônios gestacionais.

O tratamento de bolsas periodontais deve ser iniciado após o tratamento supragengival e quando a paciente apresentar-se apta à realização de uma boa higiene bucal, exceto em urgências como abscessos. Cirurgias periodontais eletivas devem ser proteladas para após o parto.

RESTAURAÇÕES DENTÁRIAS

O tratamento restaurador definitivo é bem indicado em casos de paciente com atividade de cárie controlada ou problemas estéticos. Na presença de atividade cariogênica intensa, podemos optar por tratamento de adequação do meio bucal com cimento de ionômero de vidro, utilizando a técnica de restauração atraumática, para que a paciente tenha tempo para modificar seus hábitos.

TRATAMENTOS DE CANAL

Sempre que possível deve-se optar por tratamentos conservadores da polpa. A endodontia completa poderá ser realizada por profissionais experientes ou ser protelada para após o parto.

PRÓTESES

O tratamento protético pode ser realizada de forma provisória, evitando o inconveniente das moldagens e o longo tempo de atendimento.

USO DE MEDICAMENTOS PARA PROBLEMAS DENTÁRIOS

Anestésicos
Para os procedimentos odontológicos em pacientes gestantes, o anestésico mais seguro é à base de lidocaína com adrenalina. Para gestantes cardíacas recomenda-se anestésicos à base de lidocaína sem adrenalina. O uso de dois tubetes por sessão é bastante seguro.

Analgésicos
Os analgésicos do grupo do paracetamol são os mais seguros na gestação.

Antibióticos
Os antibióticos do grupo das penicilinas são seguros para pacientes que não apresentam alergias a este fármaco. Para pacientes alérgicas à penicilinas, utiliza-se a eritromicina do grupo estearato.
Antibióticos do tipo metronidazol e tetraciclina não podem ser utilizados durante a gestação nem amamentação.

Antiinflamatórios
Os antiinflamatórios não são recomendados durante a gestação.

Colutórios bucais
O uso de triclosan para a redução de inflamações gengivais pode ser administrado em bochechos três vezes ao dia. A clorexidina só deve ser prescrita no caso da paciente não apresentar condições motoras para a higienização oral mecânica.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Olha meu dente Dr. #3!

Sorria

Creio no riso e nas lágrimas como antídotos contra o ódio e o terror.
Charles Chaplin

Clareamento Dental

Este tratamento difundiu-se rapidamente entre os pacientes pela melhora da aparência estética dos dentes sem promover desgastes na estrutura dental. Praticados há décadas, talvez séculos, as tentativas de clareamento já passaram por diferentes métodos com o mesmo objetivo: embelezar os dentes. Foram ou são usados: pastas, discos, lixas, brocas, ácidos, líquidos, gel, corrente elétrica, fibra ótica, fotopolimerizadores e agora os aparelhos para emissão de raios laser.

O procedimento consiste de aplicações de géis à base de peróxido de carbamida ou peróxido de hidrogênio que, dependendo da técnica preconizada, podem ser realizadas no consultório (técnica no consultório) ou pelo próprio paciente (técnica caseira).


O clareamento dental pela técnica caseira pode ser realizado com diferentes concentrações de peróxido de carbamida ou peróxido de hidrogênio. Porém as mais utilizadas são de 10% e de 16% de peróxido de carbamida. A utilização do gel a 16% é indicada em casos de pigmentação mais severa ou quando existe a necessidade de resultados visíveis em curto espaço de tempo. Nos casos de pigmentação normal, dentes naturalmente amarelados, escurecidos pela idade ou ainda quando a sensibilidade dental do paciente manifesta-se com maior intensidade, é indicada a utilização do gel a 10%.

Antes de escolher o método é importante saber o que causa o escurecimento dos dentes: o primeiro deles é o próprio envelhecimento, em segundo, a higienização deficiente, terceiro, o hábito de fumar, quarto, a dependência de bebidas alcoólicas, depois o uso habitual ou vício de balas, chicletes, doces e outros coloridos artificialmente, que alteram, com o tempo, a pigmentação da superfície do esmalte dos dentes. Sem combater o agente causador do escurecimento, o clareamento será sempre um paliativo temporário.


O clareamento dental está indicado para pacientes que tenham:
• Dentes manchados por uso de tetraciclina e seus derivados
• Dentes escurecidos pela idade
• Dentes com calcificação pulpar causada por traumatismo
• Dentes acometidos por fluorose e que tenham manchas amarronzadas
• Dentes com indicação de faceta 

O clareamento dental está contra-indicado para pacientes:
• Com dentes hipersensíveis ou hipoplasia de esmalte
• Crianças com menos de 10 anos de idade
• Alérgicos a algum componente da fórmula do agente clareador
• Grávidas ou que estejam amamentando.
• Incapazes de seguir as instruções corretamente.


O verdadeiro agente clareador é o peróxido de hidrogênio. Mesmo ao usar o peróxido de carbamida, o agente ativo é o peróxido de hidrogênio. Os peróxidos são soluções que penetram e se movem através do esmalte e da dentina devido ao seu baixo peso molecular.
A possível sensibilidade que ocorre nos dentes em clareamento dental se explica pela grande movimentação desses peróxidos através do esmalte e da dentina e não devido ao pH do produto utilizado.

Como funciona o clareamento dental ?

As moléculas dos géis oxidantes (liberadores de oxigênio) penetram na intimidade do esmalte e da dentina, liberando oxigênio que, por sua vez, "quebra" as moléculas dos pigmentos causadores das manchas.


Como posso clarear meus dentes ?

1 . Clareamento dental no consultório: o dentista isola os dentes (com um lençol de borracha) para proteger a gengiva e aplica um agente oxidante forte. 

2. Clareamento dental em casa (doméstico): o paciente, sob a orientação do dentista, leva um gel oxidante fraco, para usar diariamente em casa. 0 clareamento doméstico é mais seguro e eficaz, pode resolver todos os casos e é o mais utilizado.

Não se recomenda clarear os dentes sem orientação profissional.

Clareamento em fumantes é possível ?

O ideal, no clareamento dental em fumantes, é que o paciente cesse o hábito antes do clareamento e não retorne a fumar. É uma situação difícil, mas o dentista tem a obrigação de alertar o paciente sobre os malefícios do fumo e das conseqüências para o dente, o periodonto e a cavidade bucal. Para o paciente que fuma poucos cigarros por dia, pode –se optar pelo clareamento caseiro, entretanto, o paciente deve utilizar a moldeira quando fumar, para proteger o dente em clareamento, que no momento está muito suscetível a manchas de origem extrínseca devido ao aumento de permeabilidade do esmalte durante o clareamento.

Como funciona o clareamento a laser ?

Um gel clareador à base de peróxido de hidrogênio é aplicado pelo dentista, sobre a superfície externa do dente e ativado por um tipo de laser liberando moléculas de oxigênio e assim promovendo o clareamento.


Como é feito o clareamento caseiro ?

Clareamento caseiro ele é feito através de confecções de moldeiras e pelo dentista, o paciente, leva um gel oxidante fraco, para usar diariamente em casa. 0 clareamento doméstico é mais seguro e eficaz, pode resolver todos os casos e é o mais utilizado.


O dente clareado pode escurecer novamente ?
Sim. Mas nunca como era antes. Após 1 a 2 anos, pode haver a necessidade de uma manutenção.

Durante o clareamento dental, o que devo fazer ?

• Não ingerir alimentos e/ ou bebidas com corantes: beterraba, coca-cola, café, chá, vinho tinto, chocolate entre outros
• Não se deve fumar
• Observar os dentes diariamente no espelho, monitorando o progresso do clareamento

O efeito colateral mais freqüente é uma sensibilidade branda dos dentes às mudanças de temperatura. Isso ocorre mais na primeira hora após a remoção da moldeira. É passageira e dura enquanto o tratamento estiver sendo executado. Ela é atribuída ao fato de os clareadores "transitarem" com facilidade através do esmalte dental.

Infindáveis estudos laboratoriais, entre eles os de Murphy(1992), Heywood e Heyman(1993), Hunsaker et al(1990), entre outros, e os mais de 75 anos de uso convencional de peróxidos em alta concentração (35%) para clarear dentes, jamais revelaram quaisquer efeitos prejudiciais sobre a estrutura dental. Logo, concluimos que o tratamento para clareamento, quando corretamente indicado e supervisionado por um dentista, não traz malefício algum à saúde dental.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Sorriso

O sorriso enriquece os recebedores sem empobrecer os doadores.
Mário Quintana

Ser dentista é...


Ser Dentista é ... permanecer sério, enquanto o paciente se debate como uma tartaruga virada, ao tentar levantar para cuspir.

Ser Dentista é ... ouvir o paciente dizer com a cara mais lambida que o braquete quebrou enquanto ele tomava sopa.

Ser Dentista é ... remover do meio dos dentes de alguns pacientes, carne suficiente para acabar com a fome na África.

Ser Dentista é ... ver o paciente, até babando de tão anestesiado, dizer que a anestesia não pegou.

Ser Dentista é ... poder falar para uma pessoa que ela tem mau hálito, sem que ela se ofenda.

Ser Dentista é ... gastar meia hora explicando, de novo, o porque da dentadura inferior não estar firme como a superior.

Ser Dentista é ... levar susto com a ânsia de vômito que aquele paciente tem, sempre que o espelho clínico toca o céu da boca.

Ser Dentista é ... tirar aquela dentadura que não é escovada há mais de seis meses da boca do paciente e ainda ter estômago para almoçar depois.

Ser Dentista é ... aturar o filho daquela paciente que insiste em vir junto nas consultas e, enquanto espera, consegue destruir todas as revistas da recepção.

Ser Dentista é ... dar o preço para extrair um dente que parecia ser simples, gastar duas horas para conseguir, e ser obrigado a manter o valor combinado.

Ser Dentista é ... acordar de madrugada para tirar a dor daquele paciente que está enrolando para te pagar o término do tratamento há três anos.

Ser Dentista é ... estar no mercado, na fila do açougue, e ser abordado por um conhecido, que já abrindo a boca, te pede para dar uma olhadinha pra ver se o dente do "cisne" está nascendo.

Ser Dentista é ... ver todos os jornais homenageando no dia 18 de outubro os médicos pelo seu dia, e uma semana depois anunciando que dia 25 de Outubro é o dia do macarrão...

sábado, 8 de janeiro de 2011

Sorrisão #12

E aí, o que achou deste sorrisão?
Um desgaste na incisal dos incisivos centrais, um zenit gengival não muito estético...
Já sabe de quem é o sorriso? Confira aqui!

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Sorria


Um dia sem rir é um dia desperdiçado.
Charles Chaplin

Pesquisadores que Contribuíram para a Odontologia - Wilhelm Conrad Röntgen


Wilhelm Conrad Röntgen nasceu em 27 de março de 1845, em Lennep (hoje parte de Remscheid), como filho único de um tecelão. Sua mãe era Charlotte Constanze Frowein de Amesterdão.  Wilhelm foi um físico alemão que, em 8 de novembro de 1895, produziu a radiação eletromagnética nos comprimentos de onda correspondentes aos atualmente chamados Raios X.

Quando ele tinha três anos de idade, sua família mudou-se para Apeldoorn, na Holanda, onde ele foi para o Instituto de Martinus Herman van Doorn, um internato. Ele foi especialmente apto a fazer invenções mecânicas, uma característica que permaneceu com ele também na vida adulta. Em 1862 ele entrou para uma escola técnica em Utrecht, onde foi expulso injustamente acusado de ter produzido uma caricatura de uma das professoras, que na verdade era feito por outra pessoa.

Em 1865, foi reprovado por um dos professores que haviam participado de sua expulsão e não entrou para a Universidade de Utrecht. Depois foi admitido aos estudos na Politécnica de Zurique para estudar Engenharia Mecânica sem ter o título de bacharel. Em 1869, graduou-se com um Ph.D. da Universidade de Zurique com uma tese sobre gases denominada Studien über Gase. Ele participou das palestras dadas por Clausius e também trabalhou no laboratório de Kundt.Kundt e Clausius exerceu grande influência em seu desenvolvimento. Em 1869, obteve o Doutorado da Universidade de Zurique, foi nomeado assistente de Kundt e foi com ele para Würzburg, no mesmo ano, e três anos mais tarde a Estrasburgo.

Em 1874 foi qualificado como Conferencista na Universidade de Estrasburgo e em 1875 foi nomeado professor na Academia de Agricultura em Hohenheim, Württemberg. Em 1876 ele retornou a Estrasburgo como professor de Física, mas três anos depois, ele aceitou o convite para a cátedra de Física na Universidade de Giessen.

Depois de ter recusado convites para cargos semelhantes nas Universidades de Jena (1886) e Utrecht (1888), ele aceitou na Universidade de Würzburg (1888), onde sucedeu Kohlrausch e encontrou entre seus colegas de Helmholtz e de Lorenz. Em 1899 ele recusou uma oferta para a Cátedra de Física na Universidade de Leipzig, mas em 1900 ele aceitou na Universidade de Munique, por petição especial do governo da Baviera, como sucessor de E. Lommel. Aqui ele permaneceu pelo resto de sua vida, embora lhe fosse oferecido, mas se recusou, a Presidência do Reichsanstalt Physikalisch-Technische em Berlim, e o presidente de Física da Academia de Berlim.

O primeiro trabalho de Röntgen foi publicado em 1870, lidando com os calores específicos de gases, seguido alguns anos mais tarde por um artigo sobre a condutividade térmica dos cristais O nome de Röntgen, no entanto, está associado principalmente com a descoberta dos raios que ele chamou de raios-X, utilizando a designação matemática para algo desconhecido. Em 1895 ele foi estudar os fenômenos relacionados com a passagem de uma corrente elétrica através de um gás de pressão extremamente baixa. 

Na noite de 08 de novembro de 1895, ele descobriu que, se o tubo de descarga é colocado em uma selada, caixa preta grossa para excluir toda a luz, ele trabalhou em um quarto escuro, um prato de papel coberto de um lado com bário platinocianeto colocado no caminho dos raios tornou fluorescentes mesmo quando ele foi tão longe quanto a dois metros do tubo de descarga. Durante os experimentos subseqüentes, ele descobriu que objetos de diferentes espessuras que se interpõe no caminho dos raios de transparência variável mostrou a eles quando gravado em uma chapa fotográfica. Quando imobilizou por alguns momentos a mão de sua esposa no caminho dos raios, sobre uma chapa fotográfica, observou, após a revelação da placa de uma imagem da mão de sua esposa, que mostrou as sombras lançadas pelos ossos da mão e que de uma anel que ela usava, rodeado pela penumbra da carne, que era mais permeável aos raios e, portanto, jogou uma sombra mais tênue. Este foi o "röntgenogram" primeira tomada. Em outros experimentos, Roentgen mostrou que os novos raios são produzidos pelo impacto dos raios catódicos em um objeto material. Devido a sua natureza era então desconhecido, deu-lhes o nome de raios-X. Mais tarde, Max von Laue e seus alunos mostraram que eles são da mesma natureza eletromagnética da luz, mas diferem-se apenas no maior freqüência de vibração.

O artigo original de Röntgen, "Ueber Eine Neue Art von Strahlen - Sobre uma nova espécie de Raios", foi publicado 50 dias depois, em 28 de Dezembro de 1895. A 5 de Janeiro de 1896, um jornal austríaco relatou a descoberta, por Röntgen, de um novo tipo de radiação. Após a descoberta dos raios-X, Röntgen recebeu o título de Doutor Honorário em Medicina, da Universidade de Würzburg. Entre 1895 e 1897, Röntgen publicou três artigos a respeito dos raios-X, cuja tradução para o português pode ser vista nos links externos. Até os dias atuais, nenhuma das suas conclusões foi considerada falsa. Atualmente, Röntgen é considerado o pai da Radiologia de Diagnóstico - a especialidade médica que utiliza imagem para o diagnóstico de doenças.
Graças à sua descoberta, Röntgen foi laureado com o primeiro Nobel de Física, em 1901. O prêmio foi concedido "em reconhecimento aos extraordinários serviços que a descoberta dos notáveis raios que levam seu nome possibilitaram". Röntgen doou a recompensa monetária à sua universidade, convicto de que a ciência deve estar ao serviço da humanidade e não do lucro. À semelhança da escola científica alemã da época, e, da mesma forma que Pierre Curie faria vários anos mais tarde, rejeitou registrar qualquer patente relacionada à sua descoberta.

Várias homenagens foram despejadas sobre ele. Em várias cidades, as ruas foram nomeadas após ele, e uma lista completa de prêmios, medalhas, doutorados honorários, membros honorários e correspondentes da comunidade científica na Alemanha como no exterior, e outras honrarias encheria uma página inteira do livro.Apesar de tudo isto, Röntgen manteve a característica de um homem modesto e surpreendentemente reticente. 

Röntgen casou com Anna Bertha Ludwig de Zurique, com quem se encontrou no café executado por seu pai. Ela era sobrinha do poeta Otto Ludwig. Eles se casaram em 1872 em Apeldoorn, Holanda. Eles não tiveram filhos, mas em 1887, adotaram Josephine Bertha Ludwig. 
Quatro anos depois de sua esposa, Röntgen morreu em Munique em 10 de fevereiro de 1923, de câncer de intestino.