domingo, 16 de fevereiro de 2014

Adultos com dentes de leite em boca


Uma paciente chegou ao posto de saúde relatando dor de dente, ao examiná-la fiquei surpresa e lhe disse: “esse dente que está doendo é um dente de leite!”, ela não acreditou.



Essa paciente tem 31 anos e ainda apresentava o dente 63. Contou-me que seu último dente de leite a cair foi aos 16 anos (o dente 13). Ao exame clínico, o dente 63 apresentava leve mobilidade, sensível ao toque e cárie. Com a radiografia foi verificado a presença do dente 23 retido.

Não é incomum pacientes adultos apresentarem dentes de leite em boca. Normalmente o período trocas dentárias ocorre até por volta dos 12 anos de idade.



Quando ocorre a retenção de dentes de leite, por mais tempo que o normal, o motivo mais comum é não ter ocorrido o desenvolvimento do dente permanente e desta forma não ocorre a troca dentária. Sem o dente permanente não há reabsorção da raiz do dente de leite, o dentinho de leite não fica mole e não irá cair! Essa anomalia, denominada de anodontia ou hipodontia, pode ser causada por diversos fatores, sendo a hereditariedade o principal deles.
Se o dente de leite estiver firme, saudável, bem harmonizado com o restante da arcada dentária e o paciente não se incomodar com a aparência “infantil” do dentinho, ele pode permanecer ali por toda a vida. Entretanto, o mais comum é que este dente amoleça, por não suportar as cargas mastigatórias, tornando-se mais frágil, sendo pequeno em relação aos outros dentes permanentes, causando problemas mastigatórios e ortodônticos.
O mais indicado é que o dente de leite que não caiu seja extraído e substituído por um implante, que reabilita permanentemente as funções de fonética, mastigação e estética da boca.

No caso da minha paciente o dente permanente está ali! Ele se formou! E então o que fez este dentinho de leite permanecer por tanto tempo?!



Ao examinar a paciente que me procurou, notei um aumento de volume na gengiva por vestibular, logo acima do canino decíduo. 

Dentes permanentes inclusos podem provocar consequentemente a permanência do decíduo. A alteração no período normal de erupção do dente permanente pode ocorrer por diferentes fatores etiológicos, de origem local, ambiental ou genética.

Esta anormalidade de erupção deve ter ocorrido por uma retenção vestibular do canino permanente, devido à falta de espaço (discrepância negativa), provocando a retenção prolongada do canino decíduo. Minha conduta foi orientá-la que se tratava de um dente de leite e que o permanente estava ali; fiz a exodontia do 63 e a encaminhei ao ortodontista para avaliar a possibilidade de posicionamento do 23 em seu devido lugar com tracionamento ortodôntico. Espero poder acompanhar este caso e publicar aqui os resultados para vocês!